ACESSE A REDE XAMÂNICA ANCESTRAL:
Portal Xamanismo Ancestral | Terra Xamã | Aldeia de Shiva | Reekssa University | Akaiê Sramana Official Website | Akaiê Sramana Official Blog

Português English Español 
CONHEÇA A REEKSSA UNIVERSITY


CONHEÇA O TERRA XAMÃ INTERNACIONAL


  TV XAMANISMO ANCESTRAL:

  Vídeo: "Oficina Musical Xamânica"
Assista agora!



  Home
  Xamanismo Ancestral
  Fundador:
          Akaiê Sramana
  Akaiê Sramana Official Blog
  Terra Xamã
  Agenda do Terra Xamã
  Aldeia de Shiva
  Agenda da Aldeia de Shiva
  Reekssa University
  Artigos
  Cursos e Workshops
  Acampamentos Xamânicos
  Peregrinações Xamânicas
  Semanas Xamânicas
  Rituais Xamânicos
  Orações Xamânicas
  Depoimentos
  Livros recomendados
  TV Xamanismo Ancestral
  Videoteca
  Links
  Contato

CONHEÇA O SITE OFICIAL DE AKAIÊ SRAMANA

CONHEÇA O O BLOG OFICIAL DE AKAIÊ SRAMANA

CONHEÇA O NOVO SITE DA ALDEIA DE SHIVA


Filtro de Sonhos (Objeto de Poder)
  Artigos

CURSO DE XAMANISMO ANCESTRAL FEVEREIRO2021

Título: HISTÓRIA DO CABOCLO E MESTRE XAMÃ ASCENCIONADO PENA BRANCA

Mestre Ascensionado Pena Branca Pena Branca nasceu em aproximadamente 1425, na região central do Brasil, hoje, entre Brasília e Goiás, onde seu pai era o Cacique da tribo.

Era o filho mais velho de seus pais e desde cedo se mostrou com um diferencial entre os outros índios da mesma tribo, era de uma extraordinária inteligência.

Na época não havia o costume de fazer intercâmbios e trocas de alimentos entre tribos, apenas algumas tribos faziam isto, pois havia uma cultura de subsistência, mas o Cacique Pena Branca foi um dos primeiros a incentivar a melhora de condições das tribos, e por isso assumiu a tarefa de fazer intercâmbios com outras tribos, entre elas a Jê ou Tapuia e Nuaruaque ou Caríba.

Quando fazia uma de suas peregrinações ele conheceu na região do nordeste brasileiro (hoje Bahia), uma índia Tupinambá que viria a ser a sua mulher, chamava-se “Flor da Manhã” a qual foi sempre o seu apoio.

Cacique Pena Branca Como Cacique Tupinambá, foi respeitado pela sua tribo de tupis, assim como por todas as outras tribos e principalmente a maior rival, os Caramurús, que após a chegada dos portugueses se uniram aos Tupinambás, nascendo então outra nação indígena, a nação Caramurú-Tupinambá, na qual Pena Branca passou a ser o Cacique Geral, apesar disso, continuou seu trabalho de itinerante por todo o Brasil na tentativa de fortalecer e unir a cultura indígena.

Certo dia Pena Branca estava em cima do Monte Pascoal no sul da Bahia, e foi o primeiro a avistar a chegada dos portugueses nas suas naus, com grandes cruzes vermelhas no leme.

Esteve presente na primeira missa realizada no Brasil pelos Jesuítas, na figura de Frei Henrique de Coimbra.

Desde então procurou ser o porta-voz entre índios e os portugueses, sendo precavido pela desconfiança das intenções daqueles homens brancos que ofereciam objetos, como espelhos e pentes, para agradá-los.

Caboclo Pena Branca Aprendeu rapidamente o português e a cultura cristã com os jesuítas.

Teve grande contato com os corsários franceses que conseguiram penetrar (sem o conhecimento dos portugueses) na costa brasileira – muito antes das grandes invasões de 1555 – aprendeu também a falar o francês.

Os escambos, comércio de pau-brasil entre índios e portugueses, eram vistos com reservas por Pena Branca, pois ali começaram as épocas de escravidão indígena e a intenção de Pena Branca sempre foi a de progredir culturalmente com a chegada desses novos povos, aos quais ele chamava de amigos.

Pena Branca O Cacique Pena Branca faleceu no ano de 1529, com 104 anos de idade, deixando grande saudade a todos os índios do Brasil, sendo reconhecido na espiritualidade como servidor na assistência aos índios brasileiros, junto com outros grandes espíritos, como o Cacique Cobra Coral e Cacique Tupinambá.

Apesar de não ter conhecido o Padre José de Anchieta em vida, já que este chegou ao Brasil em meados de 1554, Pena Branca foi um dos espíritos que ajudou este abnegado jesuíta no seu desligamento desencarnatório e por isso Padre José de Anchieta trabalha atualmente em conjunto com Mestre Pena Branca.

Salve o Mestre Pena Branca.

Jaya Ahow!



MÚSICA DO MESTRE PENA BRANCA - DO HINÁRIO OFICIAL DA ALDEIA DE SHIVA


CHAMADO DE PENA BRANCA (Letra: Akaiê Sramana)

Pena Branca vem chegando,
Pena Branca já chegou,
Vem trazendo seu cajado,
É o Xamã Transformador. (BIS)

Ele vem lá das alturas,
Seu cocar é seu esplendor,
É a estrela que nos guia,
Nesta aldeia de amor. (BIS)

Sua missão é comandada,
Pelo Espírito Superior,
Jesus Cristo e seu exército,
Trazem a Luz do Creador. (BIS)

Pena Branca vem chegando,
Pena Branca já chegou,
Vem trazendo seu cajado,
É o Xamã Transformador. (BIS)

Vamos todos nos firmando,
Nesta via de amor,
Reconhecendo nossas falhas,
Agradecendo ao Salvador. (BIS)

Estou olhando para o alto,
Contemplando o Fogo Santo,
Do alto do totem avisto,
Pena Branca e São Francisco. (BIS)




Akaiê Sramana - Fundador da Sagrada Tradição Xamanismo Ancestral

AKAIÊ SRAMANA

Fundador da Sagrada Tradição Xamanismo Ancestral
Fundador do Terra Xamã Internacional » Reserva Natural Xamânica
Fundador da Aldeia de Shiva » Centro Espiritualista Universal Xamânico Ancestral
Codificador de Reekssa e Fundador da Reekssa University


Conheça também:

CONHEÇA O SITE OFICIAL DE AKAIÊ SRAMANA   CONHEÇA O O BLOG OFICIAL DE AKAIÊ SRAMANA

Retornar  retornar topo  Topo da página

Assinar Mala Direta

Mandala Sagrada - Ciclos da Vida  Mandala Sagrada - Pétalas de Lótus  Mandala Sagrada - Azul Harmonia  Mandala Sagrada - Yin e Yang  Mandala Sagrada - Amarelo Liberdade  Mandala Sagrada - Vermelho Força Física  Mandala Sagrada - Estrela da Alegria  Mandala Sagrada - Energia  Mandala Sagrada - Base Firme  Mandala Sagrada - Violeta Transmutação  Mandala Sagrada - Anjo Protetor  Mandala Sagrada - Sol e Lua  Mandala Sagrada - Atmosfera 
Quem é Akaiê | Agenda | Artigos | Xamanismo Ancestral | Cursos e Workshops | Livros recomendados
Aldeia de Shiva | Rituais Xamânicos | Orações Xamânicas | Depoimentos | Links | Contato
© Copyright 1998-2020. Akaiê Sramana. Todos os direitos reservados.